Seguidores

Cinema Latino

terça-feira, 6 de outubro de 2015

Mostra de Cinema Espanhol em Recife


Mostra de cinema:
Espaço Feminino
07, 08 e 09/10/15
Teatro Eva Herz - Gratuito
 

De quarta (07) a sexta (09) o Instituto Cervantes, em parceria com a Livraria Cultura, realiza a mostra de Cinema "Espaço Feminino" com a exibição de três filmes espanhóis premiados, dirigidos por mulheres. Os filmes serão exibidos no idioma original com legendas em português. A mostra é gratuita e será realizada no Teatro Eva Herz (Livraria Cultura - Shopping Rio Mar).

15 anos e um dia (Gracia Querejeta - 2013)

À medida que entra na adolescência, Jon começa a andar com jovens rebeldes, e passa a ter uma atitude cada vez menos disciplinada. Para lidar com este problema, a mãe dele decide enviá-lo a um pequeno vilarejo onde mora o avô, um antigo militar conhecido pelo temperamento autoritário. Mas o avô já não é o mesmo dos tempos do exército e hoje defende ideias mais liberais. Nasce entre avô e neto uma, até então improvável, cumplicidade.  

 
08/10/2015
Teatro Eva Herz - Livraria Cultura Shopping Rio Mar (Av. República do Líbano, 251, Pina), a las 19:00h 

As mestras da república (Pilar Pérez Solano - 2013) 

As professoras republicanas foram mulheres corajosas e comprometidas que participaram da conquista dos direitos das mulheres e da modernização da educação, baseada nos princípios da escola pública e democrática. Este documentário mostra, através da vida de uma professora, da época e imagens de arquivo inéditas, e nos mostra o maravilhoso legado deixado pelas professoras republicanas e que influencia até os dias de hoje. Trailer: youtu.be/p7s58s1iwse

 
09/10/2015
Teatro Eva Herz - Livraria Cultura Shopping Rio Mar (Av. República do Líbano, 251, Pina), a las 19:00h 

Crianças selvagens (Patricia Ferreira - 2012)

Álex, Gabi e Oki são adolescentes da cidade grande, desconhecidos por seus pais, professores e até por eles mesmos. Não estão abandonados nem levam a vida na miséria, são meninos normais seus conflitos e diversões. Mas o que aconteceria se pudéssemos saber o que estavam pensando ou o que queriam fazer? O isolamento emocional deles, levado ao extremo, terá consequências inesperadas que vão abalar a sociedade. Trailer: youtu.be/8emyiihdlcg


 

terça-feira, 18 de agosto de 2015

Programação Cinearte UFF: 20 a 26 de agosto de 2015 – quinta a quarta


20 a 26 (quinta a quarta) – 14h30
O CONTO DA PRINCESA KAGUYA
Kaguya-hime no monogatari, Japão, 2013, 137`, livre, legendado
De Isao Takahata

Esta animação é baseada no conto popular japonês "O corte do bambu". Kaguya era um minúsculo bebê quando foi encontrada dentro de um tronco de bambu brilhante. Ela se transforma em uma bela jovem que passa a ser cobiçada por 5 nobres, dentre eles, o próprio Imperador. Mas nenhum deles é o que ela realmente quer. A moça envia seus pretendentes em tarefas aparentemente impossíveis para tentar evitar o casamento com um estranho que não ama. Mas Kaguya terá que enfrentar seu destino e punição por suas escolhas. Indicado ao Oscar de Melhor Animação.


Dia 20 (quinta) – 18h10 >  Cineclube Rã Vermelha – Entrada Franca

O Cineclube Rã Vermelha apresenta sua primeira sessão de curtas.

O DESEJO DO MORTO
Paraíba, 2013, 34'
de Ramon Porto Mota
Com  Ana Luisa Camino, Edyvania Emily, Fernando Teixeira, Tavinho Teixeira 

O MEMBRO DECAÍDO 
Maranhão, 2012, 17'
de Lucas Sá
Com  Gabriel Coelho, Gabriel Magalhães, Guilherme Borges, João Marcus, Laura Sá, Seu Mingau, Verbena Régina 

LOJA DE RÉPTEIS
Pernambuco, 2014, 17'
de Pedro Severien
Com Cintia Lima, Dandara de Morais, Joana Gatis, Giordano Castro, Larysa Nascimento, Maeve Jinkings, Fransergio Araujo

O DUPLO
São Paulo, 2012, 25'
de Juliana Rojas
Com  Gilda Nomacce, Majeca Angelucci, Sabrina Greve 

Dia 20 (quinta) – 20h > Cineclube Sala Escura - Exibição seguida de debate
21 a 26 (sexta a quarta) – 19h10
A NAÇÃO QUE NÃO ESPEROU POR DEUS
Brasil, 2015, 89’, livre
De Lucia Murat e Rodrigo Hinrichsen

Em 1999, Lucia Murat filmou "Brava Gente Brasileira", um filme de época que contou com a participação dos índios Kadiwéu, que vivem no Mato Grosso do Sul. "A Nação Que Não Esperou Por Deus" é um documentário sobre essa tribo, feito em 2013/2014 pela mesma diretora, com a co-direção de Rodrigo Hinrichsen, assistente de direção de "Brava Gente Brasileira". Nesses 15 anos, a luz elétrica chegou à aldeia, e com ela a televisão, as novelas e todo o mundo do entretenimento. Cinco diferentes igrejas evangélicas se estabeleceram na reserva, todas lideradas por pastores índios. Ao mesmo tempo, os Kadiwéu voltaram a lutar pela demarcação de suas terras, retomando áreas em mãos de pecuaristas. O documentário procura mostrar esses diferentes caminhos.


21 a 26 (sexta a quarta) – 17h10
QUANDO MEUS PAIS NÃO ESTÃO EM CASA
Ilo Ilo, Singapura, 2013, 99’, 12 anos
De Anthony Chen
Com Yann Yann Yeo, Jialer Koh, Tianwen Chen, Angeli Bayani

Em 1997, durante a crise financeira asiática, Teresa, uma filipina recém-chegada a Singapura em busca de uma vida melhor, torna-se empregada da família Lim. Jiale, o problemático garoto de quem ela deve cuidar, rejeita sua presença. Com o tempo, Teresa e Jiale formam um forte vínculo, mas a crise atrapalha os planos da família. Prêmio Caméra d’Or, para melhor longa-metragem de diretor estreante, no Festival de Cannes 2013 e outros 22 prêmios em festivais e associações de críticos.


21 a 26 (sexta a quarta) – 21h
COBAIN: MONTAGE OF HECK
EUA, 2015, 145`, 14 anos
De Brett Morgen

Documentário sobre o vocalista, guitarrista e compositor Kurt Cobain, líder do Nirvana. Com acesso a arquivos pessoais e depoimentos de familiares, o filme conta do início até a ascensão de sua carreira, apresentando diversas canções, algumas delas inéditas. O retrato íntimo de um artista que raramente se revelou para a mídia.


Ingressos
Inteira > R$ 12,00 | Meia > R$ 6,00 (exceto segundas-feiras)
Segunda-feira > Promoção “Meia-entrada para todos” – R$ 4,00


Rua Miguel de Frias 9   Icaraí  Niterói  RJ  (21) 3674-7511 | 3674-7512      www.centrodeartes.uff.br

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

FLINK SAMPA


AVISO COLETIVA DE IMPRENSA

LANÇAMENTO FLINK SAMPA E TROFÉU RAÇA NEGRA – 2015

Dia 18 de agosto, às 11h, na FIESP, em SP

O reitor da Universidade Zumbi dos Palmares, José Vicente, convida para a coletiva de imprensa, seguida de almoço, em que anunciará a programação da 3ª edição da FLINK SAMPA -- Festa do Conhecimento, Literatura e Cultura Negra, e os indicados à 13ª edição do Troféu Raça Negra, a mais importante premiação concedida para os que lutam a favor da comunidade negra em diferentes campos de atividade.
Homenageado dessa edição da FLINK SAMPA e do Prêmio Troféu Raça Negra, Martinho da Vila participará da coletiva. Conhecido principalmente como cantor e compositor de sambas, Martinho da Vila é também autor de 13 livros, entre eles o romances Joana e Joanes – Um Romance Fluminense, e Ópera Negra, ambos traduzidos para o francês.
A FLINK acontecerá nos dias 13 e 14 de novembro e ocupará doze espaços do Memorial da América Latina, no bairro da Barra Funda, em São Paulo. O Troféu Raça Negra será entregue no encerramento do evento, no dia 15 de novembro, na Sala São Paulo.
O Troféu Raça Negra e a FLINK SAMPA são organizados pela Universidade Zumbi dos Palmares e pela ONG Afrobrás.

SERVIÇO COLETIVA DE IMPRENSA FLINK SAMPA 2015 E TROFÉU RAÇA NEGRA

Dia: 18 de agosto

Horário: 11hs

Local: Prédio da FIESP.

Endereço: Av. Paulista nº 1313.

Almoço após a coletiva no restaurante da FIESP.

Favor confirmar presença pelo e-mail flinksampa@a4com.com.br

Conceito FLINK SAMPA 2015
O conceito dessa edição do evento, criado pelos curadores Guiomar de Grammont e Uelinton Alves, trará como lema a frase Eu quero respirar, em referência ao direito de existir, de ser negro, de se ver espelhado na sociedade, de encontrar um lugar no mundo em que conte, de fato, com todos os direitos humanos estabelecidos. Por determinações históricas, esses direitos foram muitas vezes negados para as pessoas que trazem como raízes a cor da pele negra de seus antepassados africanos. O que deveria ser motivo de orgulho social passou a ser causa de exclusão e opressão.
É com esse mote que a FLINK SAMPA 2015 abrirá em novembro ciclos de discussões e o espaço para manifestações culturais. Além de exibir ao público o resultado de uma curadoria que destacará a valiosa contribuição dos negros em diversos segmentos da cultura -- da literatura ao cinema, do teatro e dança à moda e beleza --, as atividades visam ampliar o debate sobre o que é ser negro no Brasil e a multiplicidade de pensamentos de outros povos do mundo que muitas vezes são ignorados.
A programação inclui debates literários com autores brasileiros e estrangeiros, lançamento de livros com sessões de autógrafos, espetáculos de teatro e de dança, exibição de filmes, oficinas de moda e beleza e atividades especiais para crianças. Serão apresentados, também, dois desfiles de moda organizados pelo Centro Paula Souza, o Miss Dior e o Saias Étnicas. O Centro Paula Souza é uma autarquia do Governo do Estado de São Paulo, vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação (SDECTI). 

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Centro de Artes UFF Programação do Mês de Agosto

13 a 19 (quinta a quarta) – 14h10
CAUBY - COMEÇARIA TUDO OUTRA VEZ
Brasil, 2012, 72’, 12 anos
De Nelson Hoineff

Documentário que conta a história do cantor Cauby Peixoto, uma figura icônica na música brasileira, nascido em Niterói. Interpretando músicas desde a Bossa Nova até o Rock’n Roll, ele é considerado o maior cantor do Brasil por grandes nomes da música brasileira, como Elis Regina e Agnaldo Rayol.


13 a 19 (quinta a quarta) – 15h40
AS CANÇÕES
Brasil, 2011, 90’, livre
De Eduardo Coutinho

Nas ruas do Rio de Janeiro, em anúncios de jornais e pela internet, o cineasta entrevistou pessoas e selecionou dezoito histórias para compor o filme. Dezoito pessoas comuns, de 22 a 82 anos, que olharam para a câmera, cantaram as canções que marcaram de alguma forma suas vidas e compartilharam suas histórias. Entre as músicas que fazem parte do filme, temos Roberto Carlos, Vinícius de Moraes e Noel Rosa. Prêmio do Júri e Prêmio do Público de Melhor Documentário no Festival do Rio 2011.


13 a 19 (quinta a quarta) – 17h30
UMA NOITE EM 67
Brasil, 2010, 85’, livre
De Ricardo Calil e Renato Terra

Final do III Festival da Música Popular Brasileira da TV Record, 21 de outubro de 1967. Entre os candidatos aos principais prêmios figuravam Chico Buarque de Holanda, Caetano Veloso, Gilberto Gil e Mutantes, Roberto Carlos, Edu Lobo e Sérgio Ricardo, protagonista da célebre quebra da viola no palco. Com imagens de arquivo e apresentações de músicas hoje clássicas, o filme registra o momento do tropicalismo, os rachas artísticos e políticos na época da ditadura e a consagração de nomes que se tornaram ídolos.


Dia 13 (quinta-feira) – 20h – Entrada franca
Arquivo em Cinema – Exibição seguida de debate
RETRATOS DE IDENTIFICAÇÃO
Brasil, 2014, 71’,12 anos
De Anita Leandro

Na época da ditadura, os presos políticos eram fotografados em diferentes situações. Hoje, dois sobreviventes da tortura veem, pela primeira vez, as fotografias relativas às suas prisões. Antônio Roberto Espinosa, testemunha sobre Chael Schreier, com quem conviveu na prisão. Já Reinaldo Guarany relembra sua saída do país e fala sobre Maria Auxiliadora Lara Barcellos, com quem viveu em Berlim. Um filme necessário, contundente e revelador.
Parceria do Cine Arte UFF com o Arquivo Nacional.

Debatedores
Anita Leandro (Diretora do filme, pesquisadora e professora da Escola de Comunicação da UFRJ)
Luiz Alberto Sanz > Jornalista, cineasta e professor titular aposentado do Dep. de Comunicação Social da UFF
Mônica Almeida Kornis > Professora do CPDOC, Doutora em Ciências das Comunicações pela ECA-USP
Wallace Andrioli Guedes > Historiador, doutorando em História Social pela UFF e professor da UFJF
Mediação
Carlos Eduardo Pinto de Pinto > Prof. do Dep. de História da UERJ e pesquisador do Lab. de História Oral e Imagem da UFF


14 a 19 (sexta a quarta) – 19h10
VIOLETA FOI PARA O CÉU
Violeta se fue a los cielos, Chile/Arg/Bra, 2011, 110’, 12 anos
De Andrés Wood
Com Francisca Gavilán, Thomas Durand, Christian Quevedo

O filme conta a trajetória da compositora, artista e cantora chilena Violeta Parra. Esta biografia não segue uma linha cronológica, focando-se em diversos momentos da vida de Violeta, como sua infância na província de Ñuble, sua viagem pelo interior do Chile, as visitas à França e à Polônia, além do romance com o suíço Gilbert Favre. O filme é inteiramente intercalado com trechos de uma entrevista que Violeta Parra deu à televisão em 1962. Grande Prêmio do Júri no Sundance Film Festival 2012 – Word Cinema Drama.

Trailer > https://www.youtube.com/watch?v=WWmrbNe1Y4w

14 a 19 (sexta a quarta) – 21h20
LOS HERMANOS - ESSE É SÓ O COMEÇO DO FIM DA NOSSA VIDA 
Brasil, 2015, 85´, 12 anos
De Maria Ribeiro

A banda Los Hermanos ganha um registro íntimo e fiel ao seu espírito no documentário de Maria Ribeiro. Em 2007, depois de uma década juntos e quatro discos lançados, os integrantes da banda anunciaram, no auge do sucesso, que fariam uma pausa por tempo indeterminado. Depois de um hiato de cinco anos, eles se reuniram para uma turnê que percorreu 12 cidades brasileiras. O documentário acompanha as apresentações em cinco dessas cidades (Recife, Brasília, Salvador, Porto Alegre e Rio de Janeiro), revelando o cotidiano de uma turnê, os bastidores dos shows e a participação sempre calorosa dos fãs.


Ainda em agosto:
A MÚSICA SEGUNDO TOM JOBIM > 21 a 26 (sexta a quarta) – 19h20
COBAIN: MONTAGE OF HECK > 21 a 26 (sexta a quarta) – 21h

Ingressos
Inteira > R$ 12,00 | Meia > R$ 6,00 (exceto segundas-feiras)
Segunda-feira > Promoção “Meia-entrada para todos” – R$ 4,00


Rua Miguel de Frias 9   Icaraí  Niterói  RJ  (21) 3674-7511 | 3674-7512      www.centrodeartes.uff.br

quarta-feira, 10 de junho de 2015

Curtas Universitários anuncia vencedores de sua terceira edição


Parceria entre Futura, Globo e ABTU premia  20 curtas-metragens propostos por estudantes do país todo

O Futura, em parceria com a Globo e a Associação Brasileira de Televisão Universitária (ABTU), anunciou nesta segunda, 1º de junho, os vencedores da terceira edição do projeto Curtas Universitários. Foram selecionados 20 curtas-metragens de estudantes de cursos ligados à área audiovisual. A lista completa dos premiados está disponível no site do Futura: www.futura.org.br/saladenoticias e no site do Globo Universidade: www.globouniversidade.com.br.


“Com o projeto Curtas Universitários, estamos conseguindo fazer com que estudantes universitários tenham acesso ao mercado de trabalho. Tem muita gente boa fazendo cinema, pensando em fazer documentário, e esse projeto fomenta o mercado audiovisual no Brasil. Este ano, recebemos 102 inscrições, um recorde em relação às edições anteriores. Em março de 2016, abriremos novas inscrições. Faz todo sentido o Futura ter essa parceria com Globo  e a ABTU, que compartilham do mesmo interesse de estimular jovens na criação de projetos audiovisuais”, explica José Brito, coordenador de Jornalismo do Futura.

Os premiados, que estão em fase de elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso, vão participar de uma oficina de formação para produção dos curtas e visitar a Central Globo de Produção, o Projac, para um ciclo de palestras com profissionais da emissora. Os vencedores também receberão um apoio de R$ 6 mil para realização dos filmes, que devem ser entregues até dezembro deste ano e ter registro na ANCINE – Agência Nacional do Cinema.

“Abrir as portas da Globo é uma forma de trocarmos experiências com esses jovens. Os estudantes têm oportunidade de experimentar e conhecer a cadeia profissional do setor audiovisual  e esta proximidade é, para nós, uma chance de conhecer a produção audiovisual das novas gerações”, afirma Viridiana Bertolini, gerente de Desenvolvimento Institucional da Globo.

 Durante a seleção, foram priorizados trabalhos de diferentes partes do país cuja narrativa tivesse relevância para o Brasil e para o mundo, em linguagem contemporânea. Os vídeos precisavam ter cunho documental e aproximadamente 13 minutos de duração, além de dialogar com o projeto de conclusão do curso universitário.

“Queremos acentuar que não são apenas 20 os beneficiados. Todo um setor – o de graduandos – se mobiliza e se qualifica para concorrer a esse apoio. E é por isso que temos propostas melhores, e em maior número a cada ano”, acrescentou Julio Wainer, diretor da ABTU.

Em 2016, o Futura exibirá os documentários na faixa Sala de Notícias. Os filmes também serão disponibilizados no site Globo Universidade (www.redeglobo.globo.com/globouniversidade)  e emwww.futura.org.br/saladenoticias

terça-feira, 9 de junho de 2015

Philos estreia em setembro documentário dirigido por João Barone


O Philos vai estrear em setembro o documentário “1942 – O Brasil e sua guerra quase desconhecida”, baseado no livro homônimo que João Barone lançou em 2013 e que conta a história da participação do Brasil na Segunda Guerra Mundial. Barone, que vai dirigir o projeto, esteve na Itália para gravar cenas em lugares onde os brasileiros lutaram. Dividido em quatro episódios, o programa – segunda produção da Globosat criada especialmente para o serviço de video on demand – terá também diversas imagens de arquivo e entrevistas com historiadores, formadores de opinião e brasileiros que participaram do conflito.

segunda-feira, 11 de maio de 2015

Projeto “Mariela vai à praia’ lança trailer do filme


Formado na Unisul e vencedor do Prêmio Catarinense de Cinema, Matheus Souza busca recursos para série de TV
O cineasta graduado na Unisul, Matheus Souza, está na fase final do filme que pretende lançar este ano. Vencedor do Prêmio Catarinense de Cinema, o projeto ‘Mariela vai à Praia’ surgiu ao longo do curso de Cinema na Pedra Branca. A cidade de Imbituba foi o cenário da produção e o cineasta busca agora financiamento para o restante da série. Matheus disponibilizou o trailer da série: www.youtube.com/watch?v=TcqI7u6NRtc
Os recursos usados para a gravação do piloto da série foram conquistados com a vitória do Prêmio Catarinense de Cinema. “Confesso que foi totalmente surpreendente. Eu de fato não esperava já que havia inscrito outros dois projetos. Acreditava que eles se encaixavam melhor na proposta do edital”, afirmou.
A equipe está na fase de finalização do episódio piloto que deve ficar pronto entre abril e maio. “Em seguida queremos fazer uma exibição na cidade de Imbituba, que serviu de cenário para a produção. No mais, vamos trabalhar na tentativa de financiar o restante da série”, disse.
O cineasta afirmou que o período de graduação foi importantíssimo. “O bacana de ter estudado na Unisul foi que o curso de fato é bastante abrangente e prático. O que é extremamente importante para que você se desenvolva enquanto profissional e trabalhe as áreas em que tem mais afinidade”, avaliou.
A série se chama ‘Mariela vai à praia’ e acompanha de forma leve e divertida a jornada da personagem título que, pela primeira vez em dois anos, está de volta à sua cidade natal, no litoral sul de Santa Catarina. Ali, ela precisa se reencontrar com as pessoas que um dia deixou para trás.

A série foi toda gravada na cidade de Imbituba, e contou com atores de Florianópolis, Imbituba, Laguna, Capivari e Tubarão. A protagonista, Maria Cecília Coelho, acabou de se formar em Publicidade e Propaganda na Unisul de Tubarão. “Temos um elenco bastante diverso e composto por profissionais da região sul do estado”, finalizou Matheus.





quinta-feira, 30 de abril de 2015

Globo divulga vencedores do Prêmio Curta Rio

Finalistas receberão R$ 40 mil para a produção dos curtas-metragens sobre os 450 anos da cidade. Filmes serão exibidos pela emissora no segundo semestre


O Prêmio Curta Rio, uma homenagem aos 450 anos da Cidade Maravilhosa, selecionou dez propostas cinematográficas para receberem o incentivo de R$ 40 mil para sua produção. Foram aceitos roteiros de ficção, documentário ou animação que têm como tema central a celebração do aniversário da cidade. Os filmes, inéditos e com duração de seis minutos, vão ser exibidos pela Globo – patrocinadora do projeto – no segundo semestre.

As produções selecionadas foram A Ilha é das crianças! (Zeca Ferreira), Bola para seu Danau (José Eduardo de Souza Lima), Canto do Rio em sol (Maria de Andrade e Laís de Azeredo Rodrigues), Cine Vaz Lobo (Luiz Claudio Motta Lima), Helga e Paulo (Pedro Asbeg), Lá do alto (Luciano de Jesus Conceição), O mirante do azul (Isabella Raposo e Thiago Brito), Rugas (Ludmila Curi Kestenberg), Sebastião (Evandro Manchini e Felipe O’Neill) e Um Rio que vem de longe (Anna Azevedo).

Outras informações estão disponíveis no site www.premiocurtario.com.br.

Descrição: Descrição: cid:image002.png@01D08368.521F12F0
Rio de Janeiro, 30 de abril de 2015
Mais informações www.redeglobo.com.br

terça-feira, 28 de abril de 2015

Projeto Curtas Universitários tem inscrições prorrogadas até 3 de maio


Parceria entre Futura, Globo e ABTU premiará 20 curtas-metragens, que serão anunciados em 1º de junho

Estudantes de cursos ligados à área audiovisual que perderam as inscrições para o projeto Curtas Universitários, ainda há tempo. O prazo será prorrogado até dia 3 de maio. O edital e o formulário de inscrição estão disponíveis em www.futura.org.br/saladenoticia. Em sua terceira edição, a iniciativa – parceria do Futura com a Globo e a Associação Brasileira de Televisão Universitária (ABTU) – é aberta para alunos que estejam em fase de elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso.

Durante a seleção, serão priorizados trabalhos que contenham narrativas com relevância contemporânea para o Brasil e para o mundo, com aprofundamento de questões e boas práticas. Os vídeos precisam ter uma proposta de reportagem documental com, aproximadamente, 13 minutos de duração e dialogar com o projeto de conclusão do curso universitário.

Os 20 selecionados serão anunciados dia 1º de junho e participarão de uma oficina de formação para produção dos curtas, além de uma visita à Central Globo de Produção, o Projac, para a apresentação de um ciclo de palestras com profissionais envolvidos com a realização dos programas da emissora. Os vencedores também receberão um apoio de R$6 mil para realização dos filmes, que devem ser entregues até dezembro deste ano e ter registro na ANCINE – Agência Nacional do Cinema.

Em abril de 2016, o Futura exibirá os documentários na faixa Sala de Notícias. Os filmes também serão disponibilizados no site do Globo Universidade (www.redeglobo.globo.com/globouniversidade) e em www.futura.org.br/saladenoticias.




Dominique Isabelle Guerin

(21) 3232-8901 / 9 9451-1295 – Fundação Roberto Marinho
(11) 3846-5787

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Vem aí Cine PE 2015


Confira a programação completa do Cine PE


29 (quarta-feira) e 30 de abril (quinta-feira)

SEMINÁRIO SOBRE POLÍTICA CULTURAL E DIREITO AUTORAL

Horário: Manhã (9h) e Tarde (14h)

Local: Hotel 7 Colinas/Olinda

Acesso: Gratuito

2 de maio (sábado)

MOSTRAS DE FILMES DO CINE PE 2015

Hora: 19 h    Local: Cine São Luiz  Acesso: ingressos – R$ 4 (inteira) e R$ 2 (meia)

MOSTRA COMPETITIVA DE CURTAS-METRAGENS PERNAMBUCANOS

(MOSTRA PE)

-Encantada (PE),Ficção, Direção: Lia Leticia, 11’18”

MOSTRA COMPETITIVA DE CURTAS-METRAGENS NACIONAIS

(MOSTRA CURTA BRASIL)

-Fim de Semana (CE), Documentário, Direção: Pedro Diógenes e Ivo Lopes Araujo, 25’

MOSTRA ESPECIAL

(HORS CONCOURS)

-O Exótico Hotel Marigold 2 (ING), Ficção, Direção: John Madden, 122 ‘

INTERVALO

HOMENAGENS ESPECIAIS

-Ao governador de Pernambuco, Eduardo Campos, e à obra de Ariano Suassuna

MOSTRA COMPETITIVA DE LONGAS-METRAGENS

-Mães do Pina (PE), Documentário, Direção: Léo Falcão,86’

3 de maio (domingo)

MOSTRAS DE FILMES DO CINE PE 2015

Hora: 19 h  Local: Cine São Luiz  Acesso: ingressos – R$ 4 (inteira) e R$ 2 (meia)

MOSTRA COMPETITIVA DE CURTAS-METRAGENS PERNAMBUCANOS

(MOSTRA PE)

-Xirê (PE),Ficção, Direção: Marcelo Pinheiro, 16’23

-Salu e o Cavalo Marinho (PE), Animação. Direção: Cecília da Fonte , 13’35”

MOSTRA COMPETITIVA DE CURTAS-METRAGENS NACIONAIS

(MOSTRA CURTA BRASIL)

-Alegria (RJ), Ficção, Direção: Hsu Chien Hchin, 15’

INTERVALO

MOSTRA COMPETITIVA DE LONGAS-METRAGENS

-O Vendedor de Passados (RJ),Ficção, Direção: Lula Buarque, 85’

4 de maio (segunda-feira)

MOSTRAS DE FILMES DO CINE PE 2015

Hora: 19 h    Local: Cine São Luiz    Acesso: ingressos – R$ 4 (inteira) e R$ 2 (meia)

MOSTRA COMPETITIVA DE CURTAS-METRAGENS PERNAMBUCANOS

(MOSTRA PE)

-O Gaivota (PE), Animação. Dir.: Raoni Assis, 7’

MOSTRA COMPETITIVA DE CURTAS-METRAGENS NACIONAIS

(MOSTRA CURTA BRASIL)

-Palace Hotel (MG), Documentário, Direção: Cao Guimarães, 5’

-Vestibular (SP), Ficção, Direção: Toti Loureiro e Ruy Prado, 22’

INTERVALO

MOSTRA COMPETITIVA DE LONGAS-METRAGENS

-Cavalo Dinheiro (Portugal), Ficção, Direção: Pedro Costa, 104’

5 de maio (terça-feira)

MOSTRA INFANTIL

Hora: 9h    Local: Cine São Luiz

Filme: “Amazônia”, Animação infantil, Direção: Thierry Ragobert, 83’
Acesso: alunos selecionados da rede pública de ensino

MOSTRAS DE FILMES DO CINE PE 2015

Hora: 19 h     Local: Cine São Luiz     Acesso: ingressos – R$ 4 (inteira) e R$ 2 (meia)

MOSTRA COMPETITIVA DE CURTAS-METRAGENS PERNAMBUCANOS

(MOSTRA PE)

-O Poeta Americano (PE), Documentário, Direção: Lírio Ferreira, 10’

MOSTRA COMPETITIVA DE CURTAS-METRAGENS NACIONAIS

(MOSTRA CURTA BRASIL)

-O Segredo da Família Urso (SC), Ficção, Direção: Cintia Domil Bittar, 20’

-Até a China (RJ), Animação, Direção: Marão, 15’

INTERVALO

MOSTRA COMPETITIVA DE LONGAS-METRAGENS

-Aqui Deste Lugar (SP), Documentário, Direção: Sérgio Machado e Fernando Coimbra, 87’’

6 de maio (quarta-feira)

MOSTRA INFANTIL

Hora: 9h     Local: Cine São Luiz  

Filme: “Minhocas”, Animação infantil, Direção: Arthur Nunes e Paolo Conti, 81’

Acesso: alunos selecionados da rede pública de ensino

MOSTRAS DE FILMES DO CINE PE 2015

Hora: 19 h    Local: Cine São Luiz  Acesso: ingressos – R$ 4 (inteira) e R$ 2 (meia)

MOSTRA COMPETITIVA DE CURTAS-METRAGENS PERNAMBUCANOS

(MOSTRA PE)

-Brócolis (PE), Direção: Valentina Homem, 13’

MOSTRA COMPETITIVA DE CURTAS-METRAGENS NACIONAIS

(MOSTRA CURTA BRASIL)

-Bajado (PE), Documentário, Direção: Marcelo Pinheiro, 19’30”’

MOSTRA COMPETITIVA DE  LONGAS-METRAGENS

-O Gigantesco Imã (PE), Documentário, Direção: Petrônio e Tiago Scorza, 72’

INTERVALO

MOSTRA COMPETITIVA DE LONGAS-METRAGENS

-Permanência (PE), Ficção, Direção: Leonardo Lacca, 84’

7 de maio (quinta-feira)

MOSTRAS DE FILMES DO CINE PE 2015

Hora: 19 h    Local: Cine São Luiz   Acesso: ingressos – R$ 4 (inteira) e R$ 2 (meia)

MOSTRA COMPETITIVA DE CURTAS-METRAGENS PERNAMBUCANOS

 (MOSTRA PE)

-História Natural (PE),Ficção, Direção: Julio Cavani, 12’

MOSTRA COMPETITIVA DE CURTAS-METRAGENS NACIONAIS

(MOSTRA CURTA BRASIL)

-Como São Cruéis os Pássaros da Alvorada (MG), Ficção, Direção: João Toledo Nogueira de Souza, 22’

-Simulacro (RJ), Ficção, Direção: Miguel Moura, 9’15”’

INTERVALO

MOSTRA COMPETITIVA DE LONGAS-METRAGENS

-O Amuleto (SC/SP), Ficção, Direção: Jefferson Dé, 85’’

8 de maio (sexta-feira)

SOLENIDADE DE ENCERRAMENTO

Hora: 20 h    Local: Cine São Luiz   Acesso: ingressos – R$ 4 (inteira) e R$ 2 (meia)

HOMENAGENS ARTÍSTICAS: HELENA IGNEZ E ALCEU VALENÇA

MOSTRA ESPECIAL ALCEU VALENÇA

-A Luneta do Tempo (RJ), Ficção, Direção: Alceu Valença, 100’

Fonte: Página do Cine PE 2015

sábado, 4 de abril de 2015

Manoel de Oliveira




Manoel de Oliveira (pronúncia em português europeu mɐnuˈɛɫ doliˈvɐjɾɐ) nasceu na freguesia de Cedofeita na cidade do Porto no seio de uma família da alta burguesia nortenha, com origens na pequena fidalguia. É filho de Francisco José de Oliveira (Mosteiro, Vieira do Minho, 1865 - ?), industrial e primeiro fabricante de lâmpadas em Portugal, e de sua mulher Cândida Ferreira Pinto (Santo Ildefonso, Porto, 13 de abril de 1875 - Porto, 2 de julho de 1947). Seus pais casaram-se na freguesia de Lordelo do Ouro, na cidade do Porto.
Ainda jovem foi para A Guarda, na Galiza, onde frequentou um colégio de jesuítas. Admite ter sido sempre mau aluno. Dedicou-se ao atletismo, tendo sido campeão nacional de salto à vara e atleta do Sport Club do Porto, um clube de elite. Ainda antes dos filmes veio o automobilismo e a vida boémia. Eram habituais as tertúlias no Café Diana, na Póvoa de Varzim, com os amigos José Régio, Agustina Bessa-Luís, Luís Amaro de Oliveira e outros. Cedo é mordido pelo bichinho do cinema.
Manoel de Oliveira morre na madrugada do dia 2 de Abril de 2015 às 11:30, vítima de paragem cardíaca. Era considerado o realizador mais velho em actividade. Era também, dos realizadores no ativo, o único que tinha assistido à passagem do cinema mudo ao sonoro e do preto e branco à cor. Manoel já sofria de doenças cardíaca, mas na madrugada de 2 de abril não resistiu e sofreu uma paragem cardíaca. Como Manuel citou "Para mim é pior o sofrimento do que a morte. Pois a morte, é o fim da macacada". Felizmente o realizador conseguiu concretizar o seu último desejo que era "Quero continuar a fazer filmes até à morte". Cabe agora ao parlamento decidir se o corpo vai ser transportado ou não até ao Panteão Nacional (local onde estão as figuras mais emblemáticas de Portugal).

Família
Oliveira casou com Maria Isabel Brandão de Meneses de Almeida Carvalhais (nascida em 1918), no Porto em 4 de dezembro de 1940. Do casamento resultaram quatro filhos: Manuel Casimiro Brandão Carvalhais de Oliveira (nascido em 1941), José Manuel Brandão Carvalhais de Oliveira (nascido em 1944), Isabel Maria Brandão Carvalhais de Oliveira (nascida em 1947), Adelaide Maria Brandão Carvalhais de Oliveira (nascida em 1948). Tem também vários netos e bisnetos. Um dos netos é o conhecido actor Ricardo Trêpa (filho de Adelaide).

Carreira
Aos vinte anos vai para a escola de actores fundada no Porto por Rino Lupo, o cineasta italiano ali radicado, um dos pioneiros do cinema português de ficção. Berlim: sinfonia de uma cidade, documentário vanguardista de Walther Ruttmann, influencia-o profundamente. Tem então a ideia de rodar uma curta-metragem sobre a faina no Rio Douro, o seu primeiro filme. Douro, Faina Fluvial (1931), estreado em Lisboa, suscita a admiração da crítica estrangeira e o desagrado da nacional. Seria o primeiro documentário de muitos que abordariam, de um ponto de vista etnográfico, o tema da vida marítima da costa de Portugal, tal como Nazaré, Praia de Pescadores (1929) de Leitão de Barros (meio ficção meio documentário), Almadraba Atuneira (1961) de António Campos) ou Avieiros (1976) de Ricardo Costa.
Mantendo o gosto pela representação, participa como actor no segundo filme sonoro português, A Canção de Lisboa (1933), de Cottinelli Telmo. Diria mais tarde não se identificar com aquele estilo de cinema popular. Em 1942 aventura-se na ficção com a adaptação ao cinema do conto Os Meninos Milionários, de João Rodrigues de Freitas e filma Aniki-Bobó (1942), retrato de infância no ambiente cru e pobre da Ribeira do Porto. O filme é um fracasso comercial mas, com o tempo, dará que falar. Oliveira decide, talvez por isso, abandonar outros projectos, envolvendo-se em negócios da família. Só voltará ao cinema catorze anos depois com O Pintor e a Cidade (1956), em que filma a cores. A fim de adquirir os conhecimentos necessários para tal experiência, faz uma curta formação nos estúdios da Agfa-Gevaert AG na Alemanha de Leste.
Em 1963 faz O Acto da Primavera (segunda docuficção portuguesa), filmando uma peça de teatro popular e iniciando nova fase do seu percurso. Com este filme, praticamente ao mesmo tempo que António Campos, envolve-se na prática da antropologia visual no cinema. Essa prática seria amplamente explorada por cineastas como João César Monteiro, na ficção, como António Reis, Ricardo Costa e Pedro Costa, no documentário. O Acto da Primavera e A Caça são obras marcantes na carreira de Manoel de Oliveira. O segundo filme, uma curta-metragem de ficção, é interrompido para conseguir fazer bem o primeiro, incursão no documentário, trabalhado com técnicas de encenação. Certo atrevimento vale-lhe a supressão de uma cena por parte da censura. Mais ainda: por causa de alguns diálogos inconvenientes fica dez dias nos calabouços da PIDE6 , onde conhece Urbano Tavares Rodrigues.
A obra cinematográfica de Manoel de Oliveira, até então interrompida por pausas e por projectos gorados, só a partir da O Passado e o Presente (1971) prosseguirá, sem quebras nem sobressaltos, por uns trinta anos, até para lá do final do século. A teatralidade imanente de O Acto da Primavera, contaminando esta sua segunda longa-metragem de ficção, afirmar-se-ia como estilo pessoal, como forma de expressão que Oliveira achou por bem explorar nos seus filmes seguintes, apoiado por reflexões teóricas de amigos e firmes convicções de conhecidos comentadores. A tetralogia dos amores frustrados seria por excelência o "campus" de toda essa longa experimentação. O palco seria o plateau, o espaço cénico onde o filme falado, em «indizíveis» tiradas, se tornaria a alma do espectáculo: o puro cinema submetido ao teatro, sua referência, sua origem, seu fundamento, tal como Oliveira o vê. Eram assim ditos os amores, ditos eram os seus motivos, e ditos ficaram os argumentos do invicto «Mestre» e de quem nisso viu toda a sua originalidade. Amores ditos e escritos, com muito palavreado, com muito peso: sem nenhuma emoção mas sempre com muito sentimento.
Em 1982 Manoel de Oliveira faz um documentário auto-biográfico de confissões e memórias. O cenário é a casa onde viveu desde 1940. O filme só será exibido depois da sua morte. Insiste em dizer que só faz filmes pelo gozo de os fazer, indiferente às críticas mais negativas. Levou entretanto uma vida retirada, longe das luzes da ribalta.
Os seus actores preferidos, com quem manteve uma colaboração regular, eram Luís Miguel Cintra, Leonor Silveira, Diogo Dória, Rogério Samora, Miguel Guilherme, Isabel Ruth e o seu neto, Ricardo Trêpa. Não lhe eram de modo algum indiferentes actores estrangeiros como Catherine Deneuve, Marcello Mastroianni, John Malkovich, Michel Piccoli, Irene Papas, Chiara Mastroianni, Lima Duarte ou Marisa Paredes.

Em 2008 completou cem anos de vida. Dotado de uma resistência e saúde física e mental notáveis, era frequentemente enaltecido, nas referências que lhe eram feitas, como «o mais velho realizador do mundo em actividade».

Deixou três projetos sem filmar: o longa-metragem A Igreja do Diabo que teria os atores Fernanda Montenegro e Lima Duarte no elenco, A Ronda da Noite, baseado em Agustina Bessa-Luís e um projeto sobre o papel das mulheres nas vindimas, que seria a sua próxima rodagem.

O teatro e o cinema[editar | editar código-fonte]
A obra de Manoel de Oliveira é marcada por duas tendências opostas presentes em toda a sua filmografia. Em todos os filmes que realizou antes de 1964, curtas e longas-metragens, incluindo Aniki-Bobó (1942) e A Caça (1964) predomina um estilo cinematográfico puro, sem diálogos ou monólogos palavrosos. O Acto da Primavera (1963) é o primeiro filme de Oliveira em que o teatro filmado se torna uma opção e um estilo. O Passado e o Presente (1972) será o segundo. Contradizendo-se na prática, é a propósito deste filme que ele se explica em teoria: enquanto arte cénica, o teatro é bem mais nobre e muitíssimo mais antigo que o cinema e é por isso que este se deve submeter à palavra.

A esta dualidade de Manoel de Oliveira não é estranha a sua educação religiosa. É católico por crença e convicção7 8 , mas de ortodoxo nada tem. A dúvida quanto ao corpo da fé, quanto a certos princípios da sua igreja, assola-o com frequência e isso tem reflexos profundos na sua obra. Essa dúvida é reproduzida no frequente filosofar de muitas das personagens dos seus filmes, em particular nos filmes mais falados, com incarnação de figuras do Evangelho e do ideário cristão, com inúmeras referências bíblicas.

Por muitos anos o teatro filmado, salvo raras excepções, será na obra de Manoel de Oliveira opção dominante, que se extrema com O Sapato de Cetim (1985). Na passagem da década de oitenta para noventa essa tendência atenua-se. Monólogos e diálogos são cantados em Os Canibais (1988)9 , o teatro converte-se em ópera, a palavra deixa de ser crua para ser cantada. Pouco depois, o teatro surge em doses equilibradas com o cinema em A Divina Comédia (1991). Gradualmente e a partir de então o estilo cinematográfico volta a predominar na cinematografia de Oliveira com filmes mais leves e de menor duração. É de admitir a hipótese de tal se dever, por força das circunstâncias, à necessidade de fazer filmes num formato que não afaste o público, talvez também pela nostalgia dos primeiros filmes que fez.

O seu nome consta da lista de colaboradores da revista de cinema Movimento 10 (1933-1934) e também se encontra colaboração artística da sua autoria na Mocidade Portuguesa Feminina: boletim mensal (1939-1947).

Fonte: Wikipédia

sexta-feira, 3 de abril de 2015

Manoel de Oliveira (Filmografia)


Filmografia:

Longas-metragens:
1942 - Aniki-Bobó
1963 - Acto da Primavera (docuficção)
1971 - O Passado e o Presente
1974 - Benilde ou a Virgem Mãe
1979 - Amor de Perdição
1981 - Francisca
1985 - Le Soulier de Satin
1986 - O Meu Caso
1988 - Os Canibais
1990 - Non, ou a Vã Glória de Mandar
1991 - A Divina Comédia
1992 - O Dia do Desespero
1993 - Vale Abraão
1994 - A Caixa
1995 - O Convento
1996 - Party
1997 - Viagem ao Princípio do Mundo
1998 - Inquietude
1999 - A Carta
2000 - Palavra e Utopia
2001 - Porto da Minha Infância
2001 - Vou para Casa
2002 - O Princípio da Incerteza
2003 - Um Filme Falado
2004 - O Quinto Império - Ontem Como Hoje
2005 - Espelho Mágico
2006 - Belle Toujours
2007 - Cristóvão Colombo – O Enigma
2009 - Singularidades de uma Rapariga Loura
2010 - O Estranho Caso de Angélica
2012 - A Igreja do Diabo
2012 - O Gebo e a Sombra

Curtas e médias metragens
1931 - Douro, Faina Fluvial
1932 - Estátuas de Lisboa
1938 - Já se Fabricam Automóveis em Portugal
1938 - Miramar, Praia das Rosas
1941 - Famalicão (filme)
1956 - O Pintor e a Cidade
1964 - A Caça
1965 - As Pinturas do meu irmão Júlio (documentário)
1966 - O Pão (documentário)
1982 - Visita ou Memórias e Confissões
1983 - Lisboa Cultural
1983 - Nice - À propos de Jean Vigo
1985 - Simpósio Internacional de Escultura em Pedra - Porto
2007- Manoel de Oliveira - Rencontre unique
2010 - Painéis de São Vicente de Fora, Visão Poética
2011 - "Do Visível ao Invisível" em Mundo Invisível
2014 - O Velho do Restelo

Outros filmes
1937 - Os Últimos Temporais: Cheias do Tejo (documentário)
1958 - O Coração (documentário, 1958)
1964 - Villa Verdinho: Uma Aldeia Transmontana (documentário)
1987 - Mon Cas (1987)
1987 - A Propósito da Bandeira Nacional (1987)
2002 - Momento (2002)
2005 - Do Visível ao Invisível (2005)
2006 - O Improvável não é Impossível (2006)
2011 - O Conquistador conquistado (2011), curta-metragem inspirado pela escolha de Guimarães como Capital Européia da Cultura..

Outras atividades
Como ator
1928 - Fátima Milagrosa, de Rino Lupo
1933 - A Canção de Lisboa, de Cotinelli Telmo
1980 - Conversa Acabada, de João Botelho
1981 - Cinématon #102, de Gérard Courant
1994 - Lisbon Story, de Wim Wenders

Como supervisor
1966 - A Propósito da Inauguração de Uma Estátua - Porto 1100 Anos, de Artur Moura, Albino Baganha e António Lopes Fernandes.
1970 - Sever do Vouga… Uma Experiência, de Paulo Rocha

Prêmios
Comendador da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada (9 de Junho de 1980)12
Grã-Cruz da Ordem Militar de Sant'Iago da Espada (29 de Dezembro de 1988)13
É professor honorário da Academia de Cinema de Skopje
Prémio Europa David Mourão-Ferreira 2006 (categoria Mito), entregue pelo Centro Studi Lusofoni - Cátedra David Mourão Ferreira da Universidade de Bari e do Camões, Instituto da Cooperação e da Língua
Prémio de Cultura Padre Manuel Antunes 2007, Palavra de D. Manuel Clemente durante o acto de entrega do Prémio a Manoel de Oliveira
Recebeu em 2008 o Prémio Mundial do Humanismo
Em 2008 Manoel de Oliveira recebeu o Doutoramento honoris causa pela Universidade do Algarve
Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique (13 de Dezembro de 2008)
Em 2009 recebeu nos XIV Globos de Ouro, transmitido na SIC no dia 18 de Maio de 2009, um prémio de prestigio e de homenagem pelo trabalho que realizou, tendo já 100 anos de idade e sendo dos realizadores mais velhos do mundo.
Em 2010 recebeu o Prémio da Igreja Católica «pelo seu "falar de Deus"»
Em 2011 recebeu o doutoramento honoris causa pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro.
Em 2013, recebeu a Medalha de Conhecimento e Mérito do Instituto Politécnico de Lisboa.
Lista de prémios no estrangeiro (em francês), Ciné-Ressources, BIFI, Cinemateca Francesa
Em 2014, recebeu do presidente François Hollande, o título de Grande Oficial da Legião de Honra, comenda distinguida pelo governo da França à personalidades influentes no cenário global ligadas ao país.

quinta-feira, 2 de abril de 2015

Adeus a Manoel de Oliveira


O diretor de cinema Manoel de Oliveira morreu hoje (2), aos 106 anos, em sua casa, na cidade do Porto, em Portugal. O cineasta português sofreu uma parada cardíaca. Oliveira era considerado o mais antigo diretor de cinema em atividade no mundo.  O corpo está sendo velado em um convento de padres dominicanos da cidade e será sepultado amanhã (3).


Fonte: EBC

Daniel Arenas




Daniel Arenas Consuegra. Nasceu em Bucaramanga (Colômbia) no dia 30 de março de 1979. Embora seja colombiano reside atualmente no México. Foi conhecido por participar no reality show Protagonistas de Novela em 2002 e chegou a ser finalista do mesmo. Daniel é o menor de seis irmãos, filho de um médico. Nos Estados Unidos estudou atuação. Em 2002 Participou da primeira temporada do reality show Protagonistas de Novelas em Colômbia onde nunca esteve ameaçado por talento e ficou como finalista. Depois de sua participação conseguiu um papel protagonico na telenovela Francisco el Matemático. Em 2003 Fez uma participação especial na telenovela Un ángel llamado Azul de RCN. Em 2005 participou na telenovela Los Reyes, atuação que lhe concedeu uma nominação aos Prêmios India Catalina na categoria de ator coadjuvante favorito. Em 2002 apareceu na portada da revista colombiana TVyNovelas por ser o ator más sexy do ano, em 2006 e 2008 voltou a aparecer na revista catalogado da mesma forma.Participou na novela La sucursal del cielo como um dos protagonistas, interpretando a Samuel Lizcano, um piloto caleño da força aérea.Fez parte da telenovela Nuevo rico, nuevo pobre do Canal Caracol interpretando a Erwin Hoyos e em 2010 participou da telenovela Colombiana Doña Bella de RCN, interpretando a Nicolás Ayala. Em 2010 obteve um papel estrelar na telenovela mexicana Teresa interpretando a Fernando Moreno, trabalhando ao lado de Angelique Boyer e Sebastián Rulli; assim marcando sua estreia em Televisa. Em 2011, participou no filme Poquita ropa de Ricardo Arjona. Entre 2011 e 2012 participou como protagonista em Amorcito corazón, de Lucero Suárez onde trabalha junto junto a Elizabeth Álvarez, Diego Olivera, E Africa Závala

Em 2012 retornou ao teatro musical Apresentando em Mexico á "Hercules, el musical", onde deu vida a um herói da mitología grega ao lado de Violeta Isfel y Miguel Pizarro.

Em 2013, protagoniza na telenovela mexicana Corazón Indomable - Remake de Marimar - produzida por Nathalie Lartilleux, onde atua ao lado de Ana Brenda Contreras.

Em 2014, protagoniza a telenovela mexicana La gata produzida por Nathalie Lartilleux,trabalhando ao lado de Maite Perroni.

Fonte: Wikipédia

quarta-feira, 1 de abril de 2015

Daniel Arenas (Filmografia)



Filmografia:

Televisão:
La Gata - Pablo Martinez Negrete (2014)
Corazón indomable - Octavio Narváez (2013)
Amorcito corazón - Willy (2011)
Teresa - Fernando Moreno (2010)
Doña Bella - Nicolás (2010)
La sucursal del cielo - Samuel (2008)
Nuevo Rico, nuevo pobre - Edwin Alfonso (2007)
Los Reyes - Santiago Santi (2005)
Francisco el Matemático - Hans (2003)

Filmes & Teatro
Que rico mambo (2012)
Hercules, el musical (2012)
Gaitan, el hombre a quien ame (2009)
Tres (2009)
Jesucristo Superestrella (2006)

Prêmios e indicações

2014 TVyNovelas Melhor ator protagonista Corazón indomable Indicado
2013 People en Español Melhor ator Indicado
Melhor par romântico Indicado
2006 India Catalina Melhor ator coadjuvante Los Reyes Indicado


LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin